of 73 /73
Atenção básica Atenção básica

Atenção básica Atenção básica: conceito MS “A Atenção Básica é um conjunto de ações, de caráter individual e coletivo, situadas no primeiro nível de

Embed Size (px)

Text of Atenção básica Atenção básica: conceito MS “A Atenção Básica é um conjunto de ações,...

  • Slide 1
  • Slide 2
  • Ateno bsica
  • Slide 3
  • Ateno bsica: conceito MS A Ateno Bsica um conjunto de aes, de carter individual e coletivo, situadas no primeiro nvel de ateno dos sistemas de sade, voltadas para a promoo da sade, a preveno de agravos, o tratamento e a reabilitao. (MS) A Ateno Bsica um conjunto de aes, de carter individual e coletivo, situadas no primeiro nvel de ateno dos sistemas de sade, voltadas para a promoo da sade, a preveno de agravos, o tratamento e a reabilitao. (MS)
  • Slide 4
  • Ateno primria A ateno ambulatorial de primeiro nvel - servios de primeiro contato do paciente com o sistema de sade, direcionados a cobrir as afeces e condies mais comuns, e resolver a maioria dos problemas de sade de uma populao. A ateno ambulatorial de primeiro nvel - servios de primeiro contato do paciente com o sistema de sade, direcionados a cobrir as afeces e condies mais comuns, e resolver a maioria dos problemas de sade de uma populao. No h uniformidade no emprego do termo ateno primria sade (primary health care) No h uniformidade no emprego do termo ateno primria sade (primary health care) trs linhas principais de interpretao: trs linhas principais de interpretao: i) programa seletivo com cesta restrita de servios i) programa seletivo com cesta restrita de servios ii) um dos nveis de ateno correspondendo aos servios ambulatoriais mdicos de primeiro contato no especializados (WHO,1996) incluindo ou no amplo espectro de aes de sade pblica e de servios clnicos direcionados a toda a populao ii) um dos nveis de ateno correspondendo aos servios ambulatoriais mdicos de primeiro contato no especializados (WHO,1996) incluindo ou no amplo espectro de aes de sade pblica e de servios clnicos direcionados a toda a populao iii) concepo abrangente de modelo assistencial e de organizao do sistema de sade (Starfield,1998, 2002; Mendes, 1996). iii) concepo abrangente de modelo assistencial e de organizao do sistema de sade (Starfield,1998, 2002; Mendes, 1996).
  • Slide 5
  • Ateno primria concepes : Starfield (2002) 4 atributos da APS garantia destes atributos est inter- relacionada Primeiro contato: porta de entrada, gatekeeper Primeiro contato: porta de entrada, gatekeeper Longitudinalidade: continuidade da relao clnico- paciente ao longo da vida independente da presena ou ausncia de doena Longitudinalidade: continuidade da relao clnico- paciente ao longo da vida independente da presena ou ausncia de doena Abrangncia ou integralidade: reconhecimento de amplo espectro de necessidades, a partir da considerao dos mbitos orgnicos, psquicos e sociais da sade dentro dos limites de atuao do pessoal de sade Abrangncia ou integralidade: reconhecimento de amplo espectro de necessidades, a partir da considerao dos mbitos orgnicos, psquicos e sociais da sade dentro dos limites de atuao do pessoal de sade Coordenao / integrao: das diversas aes e servios necessrios para resolver necessidades menos freqentes e mais complexas. Coordenao / integrao: das diversas aes e servios necessrios para resolver necessidades menos freqentes e mais complexas. 3 orientaes: enfoca a famlia, tm competncia cultural, direcionado para a comunidade.
  • Slide 6
  • Ateno primria concepes: Alma Ata 1978 ateno sade essencial, ateno sade essencial, baseada em mtodos e tecnologias prticas, cientificamente comprovadas e socialmente aceitveis, baseada em mtodos e tecnologias prticas, cientificamente comprovadas e socialmente aceitveis, acesso garantido a todas as pessoas e famlias da comunidade mediante sua plena participao, acesso garantido a todas as pessoas e famlias da comunidade mediante sua plena participao, a um custo que a comunidade e o pas possam suportar. a um custo que a comunidade e o pas possam suportar. Integra o sistema nacional de sade, do qual constitui- se como funo central, e faz parte do desenvolvimento social e econmico global da comunidade; Integra o sistema nacional de sade, do qual constitui- se como funo central, e faz parte do desenvolvimento social e econmico global da comunidade; representa o primeiro nvel de contato de indivduos, da famlia e da comunidade com o sistema de sade, levando a ateno sade o mais prximo possvel de onde as pessoas residem e trabalham representa o primeiro nvel de contato de indivduos, da famlia e da comunidade com o sistema de sade, levando a ateno sade o mais prximo possvel de onde as pessoas residem e trabalham primeiro elemento de um processo permanente de assistncia sanitria (Carta da Conferncia de Alma Ata 1978 apud MS, 2001). primeiro elemento de um processo permanente de assistncia sanitria (Carta da Conferncia de Alma Ata 1978 apud MS, 2001). PHC X Selective PHC (Cueto) influncia chinesa; embate URSS x China PHC X Selective PHC (Cueto) influncia chinesa; embate URSS x China
  • Slide 7
  • Ateno bsica: conceito MS Observa-se mudana da concepo desde a NOB 1996 primeiro nvel Observa-se mudana da concepo desde a NOB 1996 primeiro nvel A Ateno Bsica um conjunto de aes, de carter individual e coletivo, situadas no primeiro nvel de ateno dos sistemas de sade, voltadas para a promoo da sade, a preveno de agravos, o tratamento e a reabilitao. (MS, 2002) A Ateno Bsica um conjunto de aes, de carter individual e coletivo, situadas no primeiro nvel de ateno dos sistemas de sade, voltadas para a promoo da sade, a preveno de agravos, o tratamento e a reabilitao. (MS, 2002) Pactos pela sade 2006: Poltica Nacional de Ateno Bsica abrangente incorpora atributos de APS propostos por Starfield (2002) Pactos pela sade 2006: Poltica Nacional de Ateno Bsica abrangente incorpora atributos de APS propostos por Starfield (2002) Ligia Giovanella
  • Slide 8
  • Ateno bsica: conceito MS Poltica Nacional de Ateno Bsica Ponto de contato preferencial e porta de entrada do sistema de sade tem como fundamentos: Ponto de contato preferencial e porta de entrada do sistema de sade tem como fundamentos: 1) o acesso universal e contnuo a servios de sade de qualidade e resolutivos; 1) o acesso universal e contnuo a servios de sade de qualidade e resolutivos; 2) a efetivao da integralidades em suas vrias dimenses articulando: 2) a efetivao da integralidades em suas vrias dimenses articulando: aes programticas e de atendimento demanda espontnea,aes programticas e de atendimento demanda espontnea, aes de promoo da sade, preveno de agravos, tratamento e reabilitao eaes de promoo da sade, preveno de agravos, tratamento e reabilitao e coordenando o cuidado na rede de servios;coordenando o cuidado na rede de servios; 3) o desenvolvimento de relaes de vnculo e responsabilizao entre as equipes e a populao garantindo a longitudinalidade; 3) o desenvolvimento de relaes de vnculo e responsabilizao entre as equipes e a populao garantindo a longitudinalidade; 4) valorizao dos profissionais de sade; 4) valorizao dos profissionais de sade; 5) realizao de avaliao e monitoramento sistemtico dos resultados; e 5) realizao de avaliao e monitoramento sistemtico dos resultados; e 6) estmulo participao popular e controle social (MS, 2006:10-11). 6) estmulo participao popular e controle social (MS, 2006:10-11).
  • Slide 9
  • Dcada de 1990 implementao do SUS Implementao do SUS regulamentada por meio de portarias ministeriais que definiram mecanismos para a descentralizao: Normas Operacionais Bsicas do SUS (NOB 91, NOB 93, NOB 96) Implementao do SUS regulamentada por meio de portarias ministeriais que definiram mecanismos para a descentralizao: Normas Operacionais Bsicas do SUS (NOB 91, NOB 93, NOB 96) NOB 1996 (1998) Substitui o modelo de alocao de recursos financeiros federais para estados e municpios por meio de convnios e de pagamento por produo de servios para transferncias diretas do Fundo Nacional de Sade para os fundos municipais e estaduais Substitui o modelo de alocao de recursos financeiros federais para estados e municpios por meio de convnios e de pagamento por produo de servios para transferncias diretas do Fundo Nacional de Sade para os fundos municipais e estaduais Institui o Piso de Ateno Bsica (PAB) repasse fundo a fundo per capita e incentivos financeiros para o Programa de Sade da Famlia (PSF) e Programa de Agentes Comunitrios de Sade (PACS) Institui o Piso de Ateno Bsica (PAB) repasse fundo a fundo per capita e incentivos financeiros para o Programa de Sade da Famlia (PSF) e Programa de Agentes Comunitrios de Sade (PACS) Responsabilizao dos governos municipais pela Ateno Bsica Responsabilizao dos governos municipais pela Ateno Bsica PAB - incentivos federais para expanso da cobertura de ateno bsica e mudana do modelo assistencial - forte induo federal e adeso municpios no ano 2000 99% dos municpios j tinham aderido e recebiam os repasses financeiros PAB - incentivos federais para expanso da cobertura de ateno bsica e mudana do modelo assistencial - forte induo federal e adeso municpios no ano 2000 99% dos municpios j tinham aderido e recebiam os repasses financeiros
  • Slide 10
  • Ateno bsica Brasil - Ateno bsica responsabilidade municipal Brasil - Ateno bsica responsabilidade municipal NOB/SUS 1/96 implantao 1998 GPAB, GPSM NOB/SUS 1/96 implantao 1998 GPAB, GPSM Piso de ateno bsica: maior autonomia gestor local e maior eqidade na distribuio de recursos Piso de ateno bsica: maior autonomia gestor local e maior eqidade na distribuio de recursos PAB fixo (10 a 18 reais 23 reais/hab/ano) PAB fixo (10 a 18 reais 23 reais/hab/ano) per capita repasses fundo a fundo mensais 1/12per capita repasses fundo a fundo mensais 1/12 obrigatoriedade de alimentao dos sistemas de informao (2 meses suspende)obrigatoriedade de alimentao dos sistemas de informao (2 meses suspende) PAB varivel PAB varivel PACS (paga um salrio mnimo/ACS/ms)PACS (paga um salrio mnimo/ACS/ms) PSF (28 a 54 mil/ano/ESF)PSF (28 a 54 mil/ano/ESF) Assistncia farmacutica bsica (1 real/hab/ano exige contrapartida)Assistncia farmacutica bsica (1 real/hab/ano exige contrapartida) Programa de combate s carncias nutricionais (SIS Vig alimentar e Nutricional)Programa de combate s carncias nutricionais (SIS Vig alimentar e Nutricional) Aes bsicas de vig sanitriaAes bsicas de vig sanitria Aes de vig epidemiolgica e ambientalAes de vig epidemiolgica e ambiental
  • Slide 11
  • Ateno bsica PAB varivel segundo poltica Nacional de AB 2006 PAB varivel segundo poltica Nacional de AB 2006 PACSPACS PSFPSF Sade Bucal SB (R$ 1700 2.200/ESB/ms; R$ 7.000 implantao)Sade Bucal SB (R$ 1700 2.200/ESB/ms; R$ 7.000 implantao) Compensao de especificidades regionais; definidas por CIBsCompensao de especificidades regionais; definidas por CIBs Sade indgenaSade indgena Sade no Sistema PenitencirioSade no Sistema Penitencirio Repasses para conta FMS PAB Repasses para conta FMS PAB PAB fixo repasse automticoPAB fixo repasse automtico PAB VarivelPAB Varivel Obrigatoriedade de alimentao do SIAB Obrigatoriedade de alimentao do SIAB SES comunica at dia 15 n ESF etc) SES comunica at dia 15 n ESF etc) N mximo ESF por municpio = pop/2400N mximo ESF por municpio = pop/2400 N mximo ACS =pop/400 (Norte + pop rea rural)N mximo ACS =pop/400 (Norte + pop rea rural) Duas modalidades de financiamento para ESF:Duas modalidades de financiamento para ESF: Municpios com IDH at 0,7; PITS, quilombolas, assentamentos = R$ 8.100,00 /ms Municpios com IDH at 0,7; PITS, quilombolas, assentamentos = R$ 8.100,00 /ms As outras ESF = R$ 5.400,00/ms As outras ESF = R$ 5.400,00/ms ACS = R$ 350,00/ms ACS = R$ 350,00/ms Implantao ESF R$20.000 Implantao ESF R$20.000
  • Slide 12
  • Ateno bsica Ateno bsica ampliada NOAS: ampliao das responsabilidades municipais Ateno bsica ampliada NOAS: ampliao das responsabilidades municipais Controle da tuberculose (130 mil casos novos e 6 mil bitos ao ano)Controle da tuberculose (130 mil casos novos e 6 mil bitos ao ano) Eliminao da hansenase (4,88/10 mil)Eliminao da hansenase (4,88/10 mil) Controle da hipertenso arterial 1 20% pop adulta(Cardio vasc principal causa de bito - 28%)Controle da hipertenso arterial 1 20% pop adulta(Cardio vasc principal causa de bito - 28%) Controle da diabetes melittus (7,6% pop de 30 a 69 anos)Controle da diabetes melittus (7,6% pop de 30 a 69 anos) Sade da crianaSade da criana Sade da mulherSade da mulher Sade bucal (incentivo especfico)Sade bucal (incentivo especfico)
  • Slide 13
  • Antecedentes do Programa Sade da Famlia no Brasil Ateno primria no Brasil Ateno primria no Brasil Anos 1920 primeiros centros de sade voltados para o controle de doenas selecionadas sanitarismo campanhista Rio de Janeiro Anos 1920 primeiros centros de sade voltados para o controle de doenas selecionadas sanitarismo campanhista Rio de Janeiro Anos 1940 Servio Especial de Sade Pblica servios de APS que articulavam preveno e tratamento para doenas infecciosas e carenciais Anos 1940 Servio Especial de Sade Pblica servios de APS que articulavam preveno e tratamento para doenas infecciosas e carenciais Anos 1960 SES - Centros de sade programas de sade pblicas especialmente focalizados no grupo materno infantil Anos 1960 SES - Centros de sade programas de sade pblicas especialmente focalizados no grupo materno infantil Expanso nos anos 1970 Expanso nos anos 1970 regio nordeste PIASS aumento importante das UBSregio nordeste PIASS aumento importante das UBS medicina previdenciria ambulatorial especializada medicina previdenciria ambulatorial especializada Expanso nos anos 1980 Aes Integradas de Sade Expanso nos anos 1980 Aes Integradas de Sade SUS descentralizao responsabilizao governos municipais SUS descentralizao responsabilizao governos municipais
  • Slide 14
  • Cronologia do Programa Sade da Famlia no Brasil Final dcada de 1980 - incio da experincia de Agentes Comunitrios de Sade 1987 Cear parte de programa de emergncia de combate seca reduo MI - Final dcada de 1980 - incio da experincia de Agentes Comunitrios de Sade 1987 Cear parte de programa de emergncia de combate seca reduo MI - 1991 - Criao oficial do Programa de Agentes Comunitrios de Sade (PACS) pelo MS. = APS seletiva 1991 - Criao oficial do Programa de Agentes Comunitrios de Sade (PACS) pelo MS. = APS seletiva 1994 Criao do Programa Sade da Famlia (PSF). Primeiro documento oficial Programa Sade da Famlia: dentro de casa. Criao de procedimentos vinculados ao PSF e ao PACS na Tabela do SIA/SUS. 1994 Criao do Programa Sade da Famlia (PSF). Primeiro documento oficial Programa Sade da Famlia: dentro de casa. Criao de procedimentos vinculados ao PSF e ao PACS na Tabela do SIA/SUS. 1996 NOB 01/96 Definio de novo modelo de financiamento para a ateno bsica sade com vistas sustentabilidade financeira desse nvel de ateno. PAB fixo per capita e PAB varivel 1996 NOB 01/96 Definio de novo modelo de financiamento para a ateno bsica sade com vistas sustentabilidade financeira desse nvel de ateno. PAB fixo per capita e PAB varivel 1997 Implantao dos Plos de Capacitao, Formao e Educao Permanente de Recursos Humanos para Sade da Famlia. Segundo documento oficial PSF: uma estratgia para a reorientao do modelo assistencial, dirigido aos gestores e trabalhadores do SUS e instituies de ensino. O PACS e PSF so includos na agenda de prioridades da poltica de sade. Publicao da Portaria MS/GM n. 1.882, criando o Piso de Ateno Bsica (PAB). Publicao da Portaria MS/GM n. 1.886, com as normas de funcionamento do PSF e do PACS. 1997 Implantao dos Plos de Capacitao, Formao e Educao Permanente de Recursos Humanos para Sade da Famlia. Segundo documento oficial PSF: uma estratgia para a reorientao do modelo assistencial, dirigido aos gestores e trabalhadores do SUS e instituies de ensino. O PACS e PSF so includos na agenda de prioridades da poltica de sade. Publicao da Portaria MS/GM n. 1.882, criando o Piso de Ateno Bsica (PAB). Publicao da Portaria MS/GM n. 1.886, com as normas de funcionamento do PSF e do PACS.
  • Slide 15
  • Cronologia do Programa Sade da Famlia no Brasil 1998 O PSF passa a ser considerado estratgia estruturante da organizao do sistema de sade. Incio da transferncia dos incentivos financeiros ao PSF e ao PACS, do Fundo Nacional de Sade para os Fundos Municipais de Sade. Definio, pela primeira vez, de oramento prprio para o PSF, estabelecido no Plano Plurianual. 1998 O PSF passa a ser considerado estratgia estruturante da organizao do sistema de sade. Incio da transferncia dos incentivos financeiros ao PSF e ao PACS, do Fundo Nacional de Sade para os Fundos Municipais de Sade. Definio, pela primeira vez, de oramento prprio para o PSF, estabelecido no Plano Plurianual. 1999 Realizao do 1. Pacto da Ateno Bsica. Edio da Portaria n. 1.329 que estabelece as faixas de incentivo ao PSF por cobertura populacional. 1999 Realizao do 1. Pacto da Ateno Bsica. Edio da Portaria n. 1.329 que estabelece as faixas de incentivo ao PSF por cobertura populacional. 2000 Criao do Departamento de Ateno Bsica para consolidar a Estratgia de Sade da Famlia. 2000 Criao do Departamento de Ateno Bsica para consolidar a Estratgia de Sade da Famlia.
  • Slide 16
  • Cronologia do Programa Sade da Famlia no Brasil 2001 Edio da Norma Operacional da Assistncia Sade NOAS/01, nfase na qualificao da ateno bsica. Incorporao das aes de sade bucal no PSF. 2001 Edio da Norma Operacional da Assistncia Sade NOAS/01, nfase na qualificao da ateno bsica. Incorporao das aes de sade bucal no PSF. 2003 Transferncia do DAB para a SAS/MS integrao 2003 Transferncia do DAB para a SAS/MS integrao Incio da execuo do Programa de Expanso e Consolidao da Estratgia de Sade da Famlia (Proesf). Incio da execuo do Programa de Expanso e Consolidao da Estratgia de Sade da Famlia (Proesf).
  • Slide 17
  • Programa de Sade da Famlia Incio 1994 Incio 1994 Implantao inicial como mais um programa voltado para extenso de cobertura assistencial Implantao inicial como mais um programa voltado para extenso de cobertura assistencial Caractersticas de seletividade nos servios ofertados e focalizao ao priorizar populaes em situao de maior risco social (Relatrio BM 1993) Caractersticas de seletividade nos servios ofertados e focalizao ao priorizar populaes em situao de maior risco social (Relatrio BM 1993) Desde 1998: estratgia estruturante dos sistemas municipais de sade, visando reorientar o modelo assistencial e imprimir uma nova dinmica na organizao dos servios e aes de sade Desde 1998: estratgia estruturante dos sistemas municipais de sade, visando reorientar o modelo assistencial e imprimir uma nova dinmica na organizao dos servios e aes de sade Gradualmente ganhou importncia na poltica nacional Gradualmente ganhou importncia na poltica nacional
  • Slide 18
  • Programa de Sade da Famlia PrincpiosPrincpios Carter substitutivo dos modelos assistenciais de APS no pasCarter substitutivo dos modelos assistenciais de APS no pas programas de sade pblica programas de sade pblica atendimento demanda espontnea atendimento demanda espontnea IntegralidadeIntegralidade Intersetorialidade: trabalho intersetorial, integrando projetos sociais e setores afins, voltados para a promoo da sadeIntersetorialidade: trabalho intersetorial, integrando projetos sociais e setores afins, voltados para a promoo da sade territorializao adscrio de clientelaterritorializao adscrio de clientela equipe multiprofissional demanda estruturadaequipe multiprofissional demanda estruturada responsabilizao e vnculo: participao na dinmica social das famlias assistidas e da comunidaderesponsabilizao e vnculo: participao na dinmica social das famlias assistidas e da comunidade participao social - participao da comunidade no planejamento, execuo e avaliao das aesparticipao social - participao da comunidade no planejamento, execuo e avaliao das aes
  • Slide 19
  • A Sade da Famlia constitui uma estratgia para a organizao e fortalecimento da Ateno Bsica como o primeiro nvel de ateno sade no SUS Procura o fortalecimento da ateno por meio da ampliao do acesso, a qualificao e reorientao das prticas de sade embasadas na Promoo da Sade (MS - Afra) Programa de Sade da Famlia Programa de Sade da Famlia (MS Coordenao de AB/SAS Afra)
  • Slide 20
  • Programa de Sade da Famlia Unidade de Sade da Famlia (USF) Unidade de Sade da Famlia (USF) porta de entrada preferencial ao sistema local porta de entrada preferencial ao sistema local primeiro nvel de ateno integrao rede de servios mais complexos. primeiro nvel de ateno integrao rede de servios mais complexos. Recomenda-se que cada equipe fique responsvel por 600 a 1.000 famlias (2.400 a 4.500 habitantes). Recomenda-se que cada equipe fique responsvel por 600 a 1.000 famlias (2.400 a 4.500 habitantes). A ESF deve: A ESF deve: conhecer as famlias do seu territrio de abrangnciaconhecer as famlias do seu territrio de abrangncia identificar os problemas de sade e as situaes de risco existentes na comunidadeidentificar os problemas de sade e as situaes de risco existentes na comunidade elaborar programao de atividades para enfrentar os determinantes do processo sade/doenaelaborar programao de atividades para enfrentar os determinantes do processo sade/doena desenvolver aes educativas e intersetoriais relacionadas com os problemas de sade identificadosdesenvolver aes educativas e intersetoriais relacionadas com os problemas de sade identificados prestar assistncia integral s famlias sob sua responsabilidade no mbito da Ateno Bsica.prestar assistncia integral s famlias sob sua responsabilidade no mbito da Ateno Bsica.
  • Slide 21
  • Princpios da estratgia de Sade da Famlia (MS- Afra) ADSCRIO DE CLIENTELA Definio precisa do territrio de atuao TERRITORIALIZAO Mapeamento da rea, compreendendo segmento populacional determinado DIAGNSTICO DA SITUAO DE SADE DA POPULAO Cadastramento das famlias e dos indivduos, gerando dados que possibilitem a anlise da situao de sade do territrio PLANEJAMENTO BASEADO NA REALIDADE LOCAL Programao das atividades segundo critrios de risco sade, priorizando soluo dos problemas
  • Slide 22
  • INTERDISCIPLINARIDADE Trabalho interdisciplinar, integrando reas tcnicas e profissionais de diferentes formaes VINCULAO Participao na dinmica social das famlias assistidas e da prpria comunidade COMPETNCIA CULTURAL Valorizao dos diversos saberes e prticas na perspectiva de uma abordagem integral e resolutiva, possibilitando a criao de vnculos de confiana com tica, compromisso e respeito Caractersticas do processo de trabalho da SF (MS Afra)
  • Slide 23
  • PARTICIPAO SOCIAL PARTICIPAO SOCIAL Participao da comunidade no planejamento, execuo e avaliao das aesParticipao da comunidade no planejamento, execuo e avaliao das aes INTERSETORIALIDADE INTERSETORIALIDADE Trabalho intersetorial, integrando projetos sociais e setores afins, voltados para a promoo da sade Trabalho intersetorial, integrando projetos sociais e setores afins, voltados para a promoo da sade FORTALECIMENTO DA GESTO LOCAL FORTALECIMENTO DA GESTO LOCAL Apoio a estratgias de fortalecimento da gesto local.Apoio a estratgias de fortalecimento da gesto local. Caractersticas do processo de trabalho da SF
  • Slide 24
  • Composio Bsica da ESF atual Mdico (generalista?) Enfermeiro Auxiliares de enfermagem Agentes comunitrios de sade (morador - elo entre UBS e pop - VD) Cirurgio-Dentista Auxiliar de consultrio dentrio e/ou Tcnico de higiene dental SADE DA FAMLIA
  • Slide 25
  • Sade da famlia Pretende implantar novo modelo assistencial formas de organizao das relaes entre sujeitos profissionais de sade e usurios, mediadas por tecnologias utilizadas no processo de trabalho em sade cujo objetivo intervir sobre problemas e necessidades de sade ind e coletivas(Paim, 1998;Teixeira, 2003) Pretende implantar novo modelo assistencial formas de organizao das relaes entre sujeitos profissionais de sade e usurios, mediadas por tecnologias utilizadas no processo de trabalho em sade cujo objetivo intervir sobre problemas e necessidades de sade ind e coletivas(Paim, 1998;Teixeira, 2003) Carter substitutivo da AB tradicional organizada por programas ou de simples atendimento demanda espontnea Carter substitutivo da AB tradicional organizada por programas ou de simples atendimento demanda espontnea Demanda estruturada: prioridade para grupos de risco Demanda estruturada: prioridade para grupos de risco
  • Slide 26
  • Evoluo do Nmero de Equipes de Sade da Famlia Implantadas BRASIL - 1994 MARO/2005 FONTE: SIAB - Sistema de Informao da Ateno Bsica ESF
  • Slide 27
  • Prioridades do Ministrio da Sade para 2005 (Mensagem Presidencial) Sade da Famlia implantao de 3.400 novas equipes, atingindo 25 mil equipes com 206 mil agentes comunitrios atuando em todo o pas, cobrindo cerca de 65% da populao. Continuidade do Projeto de Expanso da Sade da Famlia (PROESF), para aumentar a cobertura em grandes centros urbanos (Municpios com + 100 mil hab.) Ligia Giovanella
  • Slide 28
  • Meta e Evoluo do Nmero de Equipes de Sade da Famlia Implantadas BRASIL - 1994 ABRIL/2007 FONTE: SIAB - Sistema de Informao da Ateno Bsica
  • Slide 29
  • Evoluo do Nmero de Municpios com Equipes de Sade da Famlia Implantadas BRASIL - 1994 ABRIL/2007 FONTE: SIAB - Sistema de Informao da Ateno Bsica MUNICPIOS
  • Slide 30
  • Evoluo do Nmero de Municpios com Equipes de Sade da Famlia Implantadas BRASIL - 1994 - MARO/2005 FONTE: SIAB - Sistema de Informao da Ateno Bsica MUNICPIOS
  • Slide 31
  • Evoluo do Nmero de Agentes Comunitrios de Sade Implantados BRASIL - 1994 - MARO/2005 FONTE: SIAB - Sistema de Informao da Ateno Bsica ACS
  • Slide 32
  • 1998199920002001 2002200320042005 0%0 a 25%25 a 50%50 a 75%75 a 100% Evoluo da Populao Coberta por Equipes de Sade da Famlia Implantadas BRASIL FONTE: SIAB - Sistema de Informao da Ateno Bsica
  • Slide 33
  • Evoluo da Populao Coberta por Equipes de Sade da Famlia Implantadas BRASIL 2006 0%0 a 25%25 a 50%50 a 75%75 a 100%
  • Slide 34
  • FONTE: SIAB - Sistema de Informao da Ateno Bsica Situao de Implantao de Equipes de Sade da Famlia, Sade Bucal e Agentes Comunitrios de Sade BRASIL, MARO/2005 N EQUIPES 21.638 N MUNICPIOS - 4.631 N AGENTES 193.950 N MUNICPIOS - 5.110 N EQUIPES DE SADE BUCAL 9.441 N MUNICPIOS 3.245 ESF/ACS/SB ACS SEM ESF, ACS E ESB ESF ESF/ACS
  • Slide 35
  • FONTE: SIAB - Sistema de Informao da Ateno Bsica Situao de Implantao de Equipes de Sade da Famlia, Sade Bucal e Agentes Comunitrios de Sade BRASIL, ABRIL/2007 ESF/ACS/SB ACS SEM ESF, ACS E ESB ESF/ACS N ESF 27.264 N MUNICPIOS - 5.122 N ACS 219.970 N MUNICPIOS - 5.308 N ESB 15.617 N MUNICPIOS 4.368
  • Slide 36
  • Evoluo da Populao Coberta por Equipes de Sade da Famlia Implantadas BRASIL - 1994 ABRIL/2007 FONTE: SIAB - Sistema de Informao da Ateno Bsica
  • Slide 37
  • Meta e Evoluo do Nmero de Agentes Comunitrios de Sade Implantados BRASIL - 1994 - ABRIL/2007 FONTE: SIAB - Sistema de Informao da Ateno Bsica (X 1.000)
  • Slide 38
  • Evoluo do Nmero de Municpios com Agentes Comunitrios de Sade Implantados BRASIL - 1994 - ABRIL/2007 FONTE: SIAB - Sistema de Informao da Ateno Bsica MUNICPIOS
  • Slide 39
  • Evoluo da Populao Coberta por Agentes Comunitrios de Sade Implantados BRASIL - 1994 - ABRIL/2007 FONTE: SIAB - Sistema de Informao da Ateno Bsica
  • Slide 40
  • Evoluo do Nmero de Equipes de Sade Bucal BRASIL - 2001 - ABRIL/2007 FONTE: SIAB - Sistema de Informao da Ateno Bsica
  • Slide 41
  • Evoluo da Populao Coberta por Equipes de Sade Bucal BRASIL - 2001 - ABRIL/2007 FONTE: SIAB - Sistema de Informao da Ateno Bsica
  • Slide 42
  • Fonte: SIAB Sistema de Informaes da Ateno Bsica
  • Slide 43
  • Slide 44
  • Evoluo dos Recursos Financeiros do PAB - Piso de Ateno Bsica BRASIL 2000 2007 (*) A frao Varivel composta pelo PACS Programa Agentes Comunitrios de Sade; PSF Programa Sade da Famlia; e ESB Equipes de Sade Bucal. (**) Oramento. (***) Conforme PLOA 2007 FONTE: Fundo Nacional de Sade. (x R$ 1.000.000,00)
  • Slide 45
  • ANO ORAMENTO EXECUO % EXECUTADO 1998 R$ 201.000.000,00 R$ 143.763.058,42 71,52 1999 R$ 378.999.286,00 R$ 306.583.162,50 80,89 2000 R$ 680.000.000,00 R$ 648.500.575,97 95,37 2001 R$ 970.000.000,00 R$ 857.778.827,63 88,43 2002 R$ 1.350.000.000,00R$ 1.204.978.139,88 89,25 2003 R$ 1.680.000.000,00R$ 1.655.722.702,97 98,55 2004 R$ 2.071.000.000,00R$ 2.071.000.000,00 100,00 2005 R$ 2.349.794.994,00 Incentivos Financeiros Federais Transferidos Sade da Famlia, Agentes Comunitrios de Sade e Sade Bucal
  • Slide 46
  • Gasto MS com AB Incentivos federais AB- forte induo federal e adeso municpios Incentivos federais AB- forte induo federal e adeso municpios % gastos AB no conjunto dos gastos do MS % gastos AB no conjunto dos gastos do MS 1998= 15,7% = 2,758 bilhes (MS=17,6 bi em R$ de 2003)1998= 15,7% = 2,758 bilhes (MS=17,6 bi em R$ de 2003) 2003=25,7% =4,6 bilhes (MS= 17,9 bi)2003=25,7% =4,6 bilhes (MS= 17,9 bi) Aumento da participao do PAB varivel Aumento da participao do PAB varivel 1998 PAB fixo = 13% e PAB varivel 2%1998 PAB fixo = 13% e PAB varivel 2% 2003 PAB fixo= 11% e PAB varivel 14%2003 PAB fixo= 11% e PAB varivel 14% Fonte: Ug e Marques, 2005 Sade e Democracia Fonte: Ug e Marques, 2005 Sade e Democracia 2006 PAB varivel 3,24 bi 2006 PAB varivel 3,24 bi - PAB fixo 2,47 Bi - PAB fixo 2,47 Bi
  • Slide 47
  • Ateno Bsica no Brasil - desafios Implementar novo modelo assistencial Implementar novo modelo assistencial No uniformidade na implementao do Sade de Famlia:No uniformidade na implementao do Sade de Famlia: programa paralelo, com superposio de redes assistenciais e correspondendo s crticas de focalizao e seletividade com cesta mnimaprograma paralelo, com superposio de redes assistenciais e correspondendo s crticas de focalizao e seletividade com cesta mnima estratgia de mudana do modelo assistencial porta de entrada e base para reorganizao do sistema de ateno e investimento nos demais nveis de complexidadeestratgia de mudana do modelo assistencial porta de entrada e base para reorganizao do sistema de ateno e investimento nos demais nveis de complexidade Constituir a APS como porta de entrada preferencial Constituir a APS como porta de entrada preferencial
  • Slide 48
  • Ateno Bsica no Brasil - desafios Integrao aos demais nveis de complexidade: problemas de acesso e insuficiente oferta de ateno especializada e de adequados mecanismos de referncia Integrao aos demais nveis de complexidade: problemas de acesso e insuficiente oferta de ateno especializada e de adequados mecanismos de referncia Articulao e cooperao intermunicipal para garantia da integralidade da ateno diversidade dos 5.560 municpios brasileiros Articulao e cooperao intermunicipal para garantia da integralidade da ateno diversidade dos 5.560 municpios brasileiros pequeno porte dos municpios 73% at 20 mil habitantespequeno porte dos municpios 73% at 20 mil habitantes ausncia de economia de escala para garantir oferta de servios complexos e especializadosausncia de economia de escala para garantir oferta de servios complexos e especializados baixa capacidade de gesto do sistema e de regulao de prestadoresbaixa capacidade de gesto do sistema e de regulao de prestadores Reduzir desigualdades no acesso e utilizao Reduzir desigualdades no acesso e utilizao
  • Slide 49
  • Nmero de consultas mdicas (SUS) por habitante ao ano por regio Brasil, 1996, 2001 e 2003 Regio 1996 2001 2003 Regio Norte1,361,63 1,86 Regio Nordeste2,012,19 2,33 Regio Sudeste2,582,79 2,86 Regio Sul1,972,35 2,36 Regio Centro-Oeste2,122,41 Total2,212,44 2,53 Fonte: IDB - Indicadores Bsicos de Sade. Disponvel em www.datasus.gov.br
  • Slide 50
  • Ateno Bsica no Brasil - desafios Os resultados positivos de algumas das experincias municipais sugerem a potencialidade de mudana no modelo assistencial, contudo, o sucesso depender: Os resultados positivos de algumas das experincias municipais sugerem a potencialidade de mudana no modelo assistencial, contudo, o sucesso depender: manuteno de incentivos financeiros federais manuteno de incentivos financeiros federais adequada poltica de recursos humanos que permita a fixao dos profissionais de sade e proporcione satisfao no trabalho adequada poltica de recursos humanos que permita a fixao dos profissionais de sade e proporcione satisfao no trabalho ampliar a formao de mdicos generalistas 2002 reconhecimento Medicina da Famlia e da Comunidade como especialidade pelo CFM ampliar a formao de mdicos generalistas 2002 reconhecimento Medicina da Famlia e da Comunidade como especialidade pelo CFM polticas de formao profissional e de educao permanente adequadas para o desenvolvimento de suas amplas atribuies em ateno primria em sade polticas de formao profissional e de educao permanente adequadas para o desenvolvimento de suas amplas atribuies em ateno primria em sade alm de iniciativas municipais competentes para enfrentar a diversidade existente no pas alm de iniciativas municipais competentes para enfrentar a diversidade existente no pas e para implementar polticas intersetoriais promotoras da sade e para implementar polticas intersetoriais promotoras da sade
  • Slide 51
  • Slide 52
  • Pesquisa Avaliao da implementao do PSF em grandes centros urbanos dez estudos de caso Estudos de caso: pesquisa abrangente em profundidade da singularidade de cada municpio com explorao intensa a partir de fontes diversificadas com metodologia qualitativa e quantitativa Estudos de caso: pesquisa abrangente em profundidade da singularidade de cada municpio com explorao intensa a partir de fontes diversificadas com metodologia qualitativa e quantitativa Problemas analisados a partir da experincia e percepo dos gestores, dos profissionais das ESF e dos usurios Problemas analisados a partir da experincia e percepo dos gestores, dos profissionais das ESF e dos usurios Entrevistas semi-estruturadas com o gestor municipal, gerentes e conselheiros municipais de sade representantes dos usurios (~100 entrevistas) Entrevistas semi-estruturadas com o gestor municipal, gerentes e conselheiros municipais de sade representantes dos usurios (~100 entrevistas) Questionrios de auto preenchimento para os integrantes das Equipes de Sade da Famlia em 8 municpios (2.576 profissionais responderam) Questionrios de auto preenchimento para os integrantes das Equipes de Sade da Famlia em 8 municpios (2.576 profissionais responderam) Questionrio aplicado por entrevistador em famlias usurias do PSF (100 nos estudos piloto e 240 famlias por municpio = 1.640 famlias) Questionrio aplicado por entrevistador em famlias usurias do PSF (100 nos estudos piloto e 240 famlias por municpio = 1.640 famlias)
  • Slide 53
  • Capacidade instalada: tipos de unidades do PSF Tipos de unidades do PSF Mini-postos de sade Mini-postos de sade em imveis alugados ou cedidos: cerca da metade ou mais das USF em seis casos estudadosem imveis alugados ou cedidos: cerca da metade ou mais das USF em seis casos estudados novosnovos insuficincia de espao para realizao de atividades recomendadas (tais como grupo, imunizao) e exigindo revezamento de profissionais da ESF dentro e fora da USF em razo da existncia de apenas um consultrio.insuficincia de espao para realizao de atividades recomendadas (tais como grupo, imunizao) e exigindo revezamento de profissionais da ESF dentro e fora da USF em razo da existncia de apenas um consultrio. potencial menor sustentabilidade do PSFpotencial menor sustentabilidade do PSF Unidades bsicas preexistentes (Aracaju, Campinas, Vitria e Palmas), observou-se melhor estrutura fsica e administrativa e facilidades na constituio da USF como porta de entrada Unidades bsicas preexistentes (Aracaju, Campinas, Vitria e Palmas), observou-se melhor estrutura fsica e administrativa e facilidades na constituio da USF como porta de entrada ESF inquilinas em cmodo de unidade bsica preexistente sem reorganizao da ateno na unidade e atuao no articulada, observando-se maior possibilidade de conflito com profissionais da rede ESF inquilinas em cmodo de unidade bsica preexistente sem reorganizao da ateno na unidade e atuao no articulada, observando-se maior possibilidade de conflito com profissionais da rede
  • Slide 54
  • Tipos de unidades do PSF, dezembro de 2001 Fonte: NUPES/DAPS/ENSP/FIOCRUZ * postos de sade rurais reativados ** Parte das unidades em processo de converso e em outra parte as ESF coabitavam com o atendimento tradicional. AVALIAO DA IMPLEMENTAO DO PROGRAMA DE SADE DA FAMLIA EM GRANDES CENTROS URBANOS CAPACIDADE INSTALADA
  • Slide 55
  • CONCEPO MODELO IMPLEMENTADO Estratgia de mudana do modelo assistencial na rede bsica Estratgia de mudana do modelo assistencial na rede bsica com substituio da rede bsica preexistente total ou parcialcom substituio da rede bsica preexistente total ou parcial extenso de cobertura em reas desassistidas em novas unidadesextenso de cobertura em reas desassistidas em novas unidades Programa paralelo com superposio de redes bsicas Programa paralelo com superposio de redes bsicas Formato de gerncia coordenao PSF especfica (7 casos)coordenao PSF especfica (7 casos) nica para toda a rede bsicanica para toda a rede bsica
  • Slide 56
  • Slide 57
  • Concepo modelo implementado singularidades Em Vitria da Conquista, o PSF foi implementado como estratgia de mudana de modelo assistencial e desencadeou a organizao da rede assistencial do SUS com criao de mecanismos e estruturas de referncia e de regulao, e, promoveu expanso de cobertura. Em Vitria da Conquista, o PSF foi implementado como estratgia de mudana de modelo assistencial e desencadeou a organizao da rede assistencial do SUS com criao de mecanismos e estruturas de referncia e de regulao, e, promoveu expanso de cobertura. Em Vitria, foi realizado processo de transio para a converso de unidades bsicas tradicionais em USF, no qual os profissionais da unidade bsica foram substitudos gradualmente com perodo de convivncia em uma mesma unidade dos dois modelos. Em Vitria, foi realizado processo de transio para a converso de unidades bsicas tradicionais em USF, no qual os profissionais da unidade bsica foram substitudos gradualmente com perodo de convivncia em uma mesma unidade dos dois modelos.
  • Slide 58
  • Concepo modelo implementado singularidades Em Aracaju (acesso e responsabilizao), o PSF foi implantando enquanto estratgia com substituio quase total das unidades bsicas tradicionais. O modelo concebido incluiu na unidade bsica profissionais de apoio que do suporte para o acolhimento e realizam aes individuais, atendendo a demanda espontnea. Em Aracaju (acesso e responsabilizao), o PSF foi implantando enquanto estratgia com substituio quase total das unidades bsicas tradicionais. O modelo concebido incluiu na unidade bsica profissionais de apoio que do suporte para o acolhimento e realizam aes individuais, atendendo a demanda espontnea. Em Campinas (AB integral: promoo, clnica e autocuidado), ocorreu substituio parcial com reorganizao das especialidades bsicas internamente unidade para apoiar a ESF, constituindo-se um segundo nvel de ateno dentro da prpria USF. Em Campinas (AB integral: promoo, clnica e autocuidado), ocorreu substituio parcial com reorganizao das especialidades bsicas internamente unidade para apoiar a ESF, constituindo-se um segundo nvel de ateno dentro da prpria USF.
  • Slide 59
  • Concepo modelo implementado Em sntese, no h uniformidade quanto Em sntese, no h uniformidade quanto s modalidades do Sade de Famlia implementadas: Em parte dos casos constitui programa paraleloEm parte dos casos constitui programa paralelo com superposio de redes assistenciais ecom superposio de redes assistenciais e correspondendo s crticas de focalizao e seletividade com cesta mnima promocional.correspondendo s crticas de focalizao e seletividade com cesta mnima promocional.
  • Slide 60
  • Concepo modelo implementado Quando adotado como estratgia de mudana do modelo assistencial, o Sade da Famlia: Quando adotado como estratgia de mudana do modelo assistencial, o Sade da Famlia: desencadeou tentativas de reorganizao do sistema de ateno;desencadeou tentativas de reorganizao do sistema de ateno; em alguns municpios investiu-se nos demais nveis de complexidade, contudo em diversas situaes de modo insuficientes, permanecendo problemas de acesso e integrao aos demais nveis de complexidade.em alguns municpios investiu-se nos demais nveis de complexidade, contudo em diversas situaes de modo insuficientes, permanecendo problemas de acesso e integrao aos demais nveis de complexidade. Em programas consolidados com cobertura elevada da populao municipal, o investimento nos demais nveis de complexidade fator crucial para garantir ateno integral. Em programas consolidados com cobertura elevada da populao municipal, o investimento nos demais nveis de complexidade fator crucial para garantir ateno integral.
  • Slide 61
  • Servio de primeiro contato (gatekeeper) USF como porta de entrada do sistema de sade Acesso das famlias ESF/USF Acesso das famlias ESF/USF Utilizao da USF/ESF pelas famlias cadastradas Utilizao da USF/ESF pelas famlias cadastradas Servio de procura regular das famlias adscritas Servio de procura regular das famlias adscritas famlias que em geral procuram a USFfamlias que em geral procuram a USF servio de sade procurado no ltimo ms frente necessidade de atenoservio de sade procurado no ltimo ms frente necessidade de ateno Percepo dos integrantes da ESF sobre a porta de entrada Percepo dos integrantes da ESF sobre a porta de entrada
  • Slide 62
  • Servio de primeiro contato (gatekeeper) USF como porta de entrada do sistema de sade Para funcionar como porta de entrada, a USF Para funcionar como porta de entrada, a USF deve ser: acessvel: acessibilidade financeira, geogrfica, temporal e cultural acessvel: acessibilidade financeira, geogrfica, temporal e cultural constituir-se em servio de procura regular: utilizao do servio por parte dos usurios a cada novo episdio constituir-se em servio de procura regular: utilizao do servio por parte dos usurios a cada novo episdio e servir de filtro e ponto de entrada do fluxo pela rede assistencial na busca, coordenada pelo generalista, da melhor opo de assistncia disponvel para cada necessidade. e servir de filtro e ponto de entrada do fluxo pela rede assistencial na busca, coordenada pelo generalista, da melhor opo de assistncia disponvel para cada necessidade. exigncia e realizao de encaminhamento dos profissionais de ateno primria para acesso ateno especializada exigncia e realizao de encaminhamento dos profissionais de ateno primria para acesso ateno especializada
  • Slide 63
  • AVALIAO DA IMPLEMENTAO DO PROGRAMA DE SADE DA FAMLIA EM GRANDES CENTROS URBANOS
  • Slide 64
  • Servio de primeiro contato (gatekeeper) USF como porta de entrada do sistema de sade Proporo de famlias que em geral procuram a ESF/USF quando precisam de atendimento por profissional de sade Proporo de famlias que em geral procuram a ESF/USF quando precisam de atendimento por profissional de sade metade ou mais das famlias informaram que geralmente procuram a ESF/USF para atendimento em: Vitria da Conquista (77%), Aracaju (62%), Vitria (56%), e Palmas (52%)metade ou mais das famlias informaram que geralmente procuram a ESF/USF para atendimento em: Vitria da Conquista (77%), Aracaju (62%), Vitria (56%), e Palmas (52%) municpios em que o PSF foi concebido como programa paralelo apresentaram as menores propores de servio em geral procurado pela populao adscrita: Manaus (26%), Braslia (31%) e Goinia (33%).municpios em que o PSF foi concebido como programa paralelo apresentaram as menores propores de servio em geral procurado pela populao adscrita: Manaus (26%), Braslia (31%) e Goinia (33%).
  • Slide 65
  • Servio de primeiro contato (gatekeeper) USF como porta de entrada do sistema de sade Menores propores de famlias procuraram a USF/ESF frente a mal-estar ou episdio de doena nos 30 dias anteriores pesquisa Maiores propores de procura da USF na experincia de uso recente: Aracaju (61%), Vitria (40%), e Palmas (39%) Maiores propores de procura da USF na experincia de uso recente: Aracaju (61%), Vitria (40%), e Palmas (39%) Apenas um quinto das famlias cadastradas havia procurado a ESF/USF em Camaragibe (20%), Braslia (23%) e Manaus (24%) Apenas um quinto das famlias cadastradas havia procurado a ESF/USF em Camaragibe (20%), Braslia (23%) e Manaus (24%) Embora a maior parte dos episdios no fossem graves, os servios mais procurados foram servios de urgncia. Camaragibe 32% Centro de Sade com servio de urgncia; Vitria da Conquista 30% hospital; Manaus (30%) e Braslia (28%) pronto-socorro Embora a maior parte dos episdios no fossem graves, os servios mais procurados foram servios de urgncia. Camaragibe 32% Centro de Sade com servio de urgncia; Vitria da Conquista 30% hospital; Manaus (30%) e Braslia (28%) pronto-socorro Postos e centros de sade continuavam sendo procurados em Manaus (22%), Braslia (19%), Goinia (14%), indicando existncia de paralelismo de redes bsicas Postos e centros de sade continuavam sendo procurados em Manaus (22%), Braslia (19%), Goinia (14%), indicando existncia de paralelismo de redes bsicas
  • Slide 66
  • AVALIAO DA IMPLEMENTAO DO PROGRAMA DE SADE DA FAMLIA EM GRANDES CENTROS URBANOS
  • Slide 67
  • Slide 68
  • Integrao PSF rede assistencial SUS O conjunto de critrios analisados evidencia que na maior parte dos municpios estudados as USF ainda no se tornaram a porta de entrada de um sistema de ateno sade integrado, embora iniciativas de articulao estejam em curso. O conjunto de critrios analisados evidencia que na maior parte dos municpios estudados as USF ainda no se tornaram a porta de entrada de um sistema de ateno sade integrado, embora iniciativas de articulao estejam em curso. Os resultados sugerem que nas localidades onde ocorreu substituio de rede bsica tradicional por sade da famlia h maior probabilidade da ESF/USF constituir-se em fonte habitual de ateno (Aracaju, Palmas, Vitria). Os resultados sugerem que nas localidades onde ocorreu substituio de rede bsica tradicional por sade da famlia h maior probabilidade da ESF/USF constituir-se em fonte habitual de ateno (Aracaju, Palmas, Vitria). Nos municpios em que o PSF foi implantado como programa observou-se atuao paralela ateno bsica tradicional, a qual tambm no funcionava como filtro obrigatrio para ateno especializada que podia ser acessada diretamente. Nos municpios em que o PSF foi implantado como programa observou-se atuao paralela ateno bsica tradicional, a qual tambm no funcionava como filtro obrigatrio para ateno especializada que podia ser acessada diretamente.
  • Slide 69
  • Integrao PSF rede assistencial SUS A baixa proporo de procura da USF frente a episdio de doena pode estar relacionada a: A baixa proporo de procura da USF frente a episdio de doena pode estar relacionada a: barreiras de acesso decorrentes de horrios de funcionamento, adscrio ao local de moradia e no de trabalho,barreiras de acesso decorrentes de horrios de funcionamento, adscrio ao local de moradia e no de trabalho, s dificuldades em garantir atendimento demanda espontnea e aos grupos no prioritrios, es dificuldades em garantir atendimento demanda espontnea e aos grupos no prioritrios, e implantao recente do servio. implantao recente do servio. Os resultados indicam ser necessrio repensar horrios de funcionamento das unidades e estabelecer fluxos de informao e referncia entre os servios de urgncia/pronto-atendimento e as ESF/USF Os resultados indicam ser necessrio repensar horrios de funcionamento das unidades e estabelecer fluxos de informao e referncia entre os servios de urgncia/pronto-atendimento e as ESF/USF Parte das dificuldades evidenciadas para referncia esteve condicionada pela insuficincia de oferta para algumas especialidades e de disponibilidade financeira, contudo, a diversidade de resultados dos casos analisados sugere leque de opes gerenciais e organizacionais nos limites de governabilidade dos gestores locais para maior integrao. Parte das dificuldades evidenciadas para referncia esteve condicionada pela insuficincia de oferta para algumas especialidades e de disponibilidade financeira, contudo, a diversidade de resultados dos casos analisados sugere leque de opes gerenciais e organizacionais nos limites de governabilidade dos gestores locais para maior integrao.
  • Slide 70
  • AB e a organizao do SUS municipal Necessria articulao e cooperao intermunicipal para garantia da integralidade da ateno dada a imensa diversidade populacional dos 5 560 municpios brasileiros (2002) Necessria articulao e cooperao intermunicipal para garantia da integralidade da ateno dada a imensa diversidade populacional dos 5 560 municpios brasileiros (2002) 48% dos municpios com at 10 000 habitantes abrigam apenas 8% da populao. 48% dos municpios com at 10 000 habitantes abrigam apenas 8% da populao. 25% dos municpios brasileiros tinham menos de 5 mil habitantes; 48% tinham at 10 mil habitantes 25% dos municpios brasileiros tinham menos de 5 mil habitantes; 48% tinham at 10 mil habitantes 73% tinham at 20 mil habitantes 73% tinham at 20 mil habitantes 90% tinham at 50 mil habitantes; 90% tinham at 50 mil habitantes; 95% dos municpios abrigavam uma populao de at 100 mil habitantes 95% dos municpios abrigavam uma populao de at 100 mil habitantes 226 cidades tm acima de 100 000 habitantes 226 cidades tm acima de 100 000 habitantes 0,6% dos municpios com mais de 500 000 habitantes concentram 28% da populao 0,6% dos municpios com mais de 500 000 habitantes concentram 28% da populao
  • Slide 71
  • Municpios brasileiros%municipios Populao 2000 < 5 mil hab.25% 1 milho hab.11 cidadesPop. 29 milhes Total municpios5.507Pop. 169,5 milhes
  • Slide 72
  • AB e a organizao do SUS municipal pequeno porte dos municpios baixa capacidade de gesto e planejamento do sistema baixa capacidade de gesto e planejamento do sistema baixa capacidade de regulao de prestadores (monoplio do prestador nico); baixa capacidade de regulao de prestadores (monoplio do prestador nico); baixa capacidade de contratualizao / acompanhamento e controle dos contratos baixa capacidade de contratualizao / acompanhamento e controle dos contratos ausncia de economia de escala para garantir oferta de servios complexos e especializados ausncia de economia de escala para garantir oferta de servios complexos e especializados dificuldade de construo de redes assistenciais adequadas dificuldade de construo de redes assistenciais adequadas
  • Slide 73
  • Condies de habilitao municpios NOB 93 1998 NOB 96 2000 % Total municpios Incipiente2.367-- Parcial/ Plena ateno bsica6164.92789,5% Semi-plena/ Plena sistema municipal 1445239,5% Total habilitados Total de municpios em 2005 2005 - GPSM NOB 2005 - GPSM NOAS 3.1275.450 430 224 99,0% 5.560 11,76
  • Slide 74
  • Tabela 1 Estimativa dos valores mnimos definidos pela EC 29 Em R$ bilhes ValorPIB-IBGE Difer ena AnosEmpenhadoVariaoValor MnimoAcumulada (a) PIB (*) em %(b)(b) - (a)R$ milhes 199918.353 200020.3515,0019.271 200122.47413,0823.013539 200224.7368,8525.050314853 200327.18112,2928.1289471.800 200432.70315,6132.520-1831.617 2005 36.478 (**)13,6937.1807022.319 Fonte Aquilas Mendes, maio 2005 (a)Valor empenhado com Aes e Servios Pblicos de Sade pelo MS (excluindo as despesas com Dvida, Inativos, e aquelas financiadas pelo Fundo de Combate e Erradicao da Pobreza). (b)Aplicao mnima de acordo com a EC 29 com base na Deciso 143/2000 do TCU, que confirma o entendimento do documento Parmetros Consensuais, incorporados na Resoluo 322/2003 do Conselho Nacional de Sade, na segunda diretriz, estabelecendo que a variao nominal do PIB deve ser aplicada sobre o montante empenhado no ano anterior caso seja igual ou superior ao mnimo estabelecido pela EC 29 para o ano anterior; caso contrrio, ou seja, em caso de descumprimento do limite mnimo estabelecido para o ano anterior, aplica-se o percentual sobre esse limite mnimo. (*) Variao nominal do PIB-IBGE revisto em relao ao ano anterior em %. (**) Valor referente ao Oramento (Lei + Crdito) do Ministrio da Sade. Tabela 1 Estimativa dos valores mnimos definidos pela EC 29 Em R$ bilhes Aquilas Mendes, 2005