Manual Brt

  • View
    20

  • Download
    0

Embed Size (px)

Transcript

  • Manual de Tubulaes Telefnicas e Rede Interna em Edificaes - Mdulo 00.20 Srie 0 - Introduo

    Grupo: "Disposies gerais"

    Ttulo Verso Vigncia Projeto de sries e grupos deste manual 1 Indeterminada

    SRIE 0 - INTRODUO Grupo 00 - Disposies gerais Grupo 03 - Descrio do manual

    SRIE 2 - PROJETO DE TUBULAO Grupo 20 - Disposies gerais Grupo 25 - Edificaes com mais de cinco pontos telefnicos Grupo 26 - Instalao

    SRIE 4 - PROJETO DE REDE INTERNA Grupo 40 - Disposies gerais Grupo 45 - Descrio de projeto

    SRIE 6 - APROVAO Grupo 60 - Disposies gerais Grupo 65 - Aprovao e vistoria

    Srie 0 - Introduo

    Grupo: "Disposies gerais"

    Ttulo Verso Vigncia Premissas bsicas para projeto de tubulao telefnica e rede interna 1 Indeterminada

    Objetivo Este mdulo estabelece as premissas bsicas para elaborao de projeto e execuo de tubulao telefnica e rede interna.

    Disposies gerais As redes telefnicas em edifcios devem ser destinadas, exclusivamente, ao uso da filial, que nelas pode instalar os servios de telecomunicaes conectados sua rede externa, como por exemplo, telefonia, CPCT, msica ambiente, transmisso de dados e outros servios correlatos. As edificaes ocupadas por um nico cliente podem ser providas de uma s rede telefnica para atender a todas as necessidades de comunicaes descritas no pargrafo anterior.

    Os servios de comunicao interna dos edifcios, no pertencentes filial, como interfones, sinalizaes internas, antenas coletivas, TV a cabo e outros sistemas de telecomunicaes no conectados rede externa, devem ser instalados em rede de cabos e tubulaes independentes e exclusivas.

    O construtor responsvel pelo projeto e pela execuo da rede interna do edifcio.

    Todos os tipos de edificaes, exceto unidades habitacionais unifamiliares (casa) at 100 m2

  • (conforme ATO 37/92 do CREA-PR) devem ter seus projetos de tubulao telefnica e rede interna submetidos aprovao da filial.

    A filial no exige que os projetos de unidades habitacionais unifamiliares (casa) at 100 m2 sejam submetidas sua aprovao, contudo, tais edificaes devem ser providas de tubulaes, caixas, fios e tomadas.

    Os servios de manuteno da tubulao, cabeao e rede interna so de responsabilidade do condomnio ou proprietrio do edifcio e devem ser executados por empresas capacitadas.

    Havendo necessidade de modificaes, acrscimo de tubulao ou rede telefnica interna de imveis, a elaborao dos projetos e a execuo dos mesmos sero de responsabilidade do cliente. Os custos envolvidos nas modificaes da rede da filial, desde que o motivo no seja por problemas tcnicos ou de sobreocupao dos cabos de entrada, sero cobrados do cliente. Esses projetos devem ser previamente submetidos a anlise e aprovao da filial.

    A responsabilidade de elaborao de projetos de tubulao e de rede telefnica interna de edificaes de engenheiros que possuem atribuies para tal, conforme discriminado em seu registro profissional expedido pelo Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia - CREA.

    Os projetos de tubulao e de rede telefnica devem ser elaborados em um mesmo documento (projeto).

  • Manual de Tubulaes Telefnicas e Rede Interna em Edificaes - Mdulo 00.40 Srie 0 - Introduo

    Grupo: "Disposies gerais"

    Ttulo Verso Vigncia Normas complementares ao manual 1 Indeterminada

    Objetivo Este mdulo tem como objetivo descrever as normas que complementam este manual no que diz respeito aos assuntos de tubulao telefnica e rede interna em edificaes.

    Para a execuo do projeto de tubulaes telefnicas e rede interna imprescindvel tambm a consulta s normas citadas a seguir.

    Normas Complementares

    Normas ABNT

    a) NBR 13300 - Redes telefnicas internas em prdios - Terminologia.

    b) NBR 13301 - Redes telefnicas internas em prdios - Simbologia.

    c) NBR 13726 - Redes telefnicas internas em prdios - Tubulao de entrada telefnica - Projeto.

    d) NBR 13727 - Redes telefnicas internas em prdios - Plantas/partes componentes de um projeto de tubulao telefnica.

    e) NBR 13822 - Redes telefnicas em edificaes com at cinco pontos telefnicos - Projeto.

    f) NBR 5410 - Instalaes eltricas de baixa tenso

  • Manual de Tubulaes Telefnicas e Rede Interna em Edificaes - Mdulo 03.10 Srie 0 - Introduo

    Grupo: "Descrio do manual"

    Ttulo Verso Vigncia Composio deste manual 1 Indeterminada

    Objetivo Descrever em linhas gerais como est estruturado este manual.

    Os exemplos da estrutura descrita neste mdulo podem ser observados nos documentos deste manual.

    Srie Srie o conjunto maior de assuntos que congregam uma seqncia de procedimentos ou critrios com uma finalidade nica. O manual pode conter at dez sries, identificadas por um dgito numrico de "0" a "9" (por exemplo: 1, 3, 5, 7 etc.).

    A srie "0" est reservada para assuntos introdutrios do manual, e a srie "9" est reservada para assuntos gerais que, pela quantidade de procedimentos ou informaes, no justificam a criao de uma srie especfica.

    A srie subdividida em grupos, como descritos a seguir.

    Grupo Grupo o conjunto menor de assuntos dentro de uma srie, formado pela constncia de critrios e procedimentos, dentro da mesma srie. A srie pode conter at dez grupos, identificados por um dgito numrico de "0" a "9". O grupo formado por dois dgitos. O primeiro identifica a srie e o segundo o grupo propriamente dito (por exemplo: 10, 21, 32 etc.).

    O grupo "0" de cada srie denominado "Disposies gerais", e est reservado para assuntos aplicveis a mais atividades descritas dentro de uma srie.

    O grupo "9", quando houver, contm todos os assuntos que, pela individualidade, no justificam a criao de um grupo especfico.

    O grupo subdividido em mdulos, como descritos a seguir.

    Mdulo Mdulo o conjunto isolado de procedimentos ou critrios dentro do assunto abrangido pelo grupo correspondente, preferencialmente emitido em apenas duas pginas, para facilitar a atualizao. O grupo pode conter at cem mdulos, identificados por dois dgitos numricos de "00" a "99". Os dgitos dos mdulos vm sempre antecedidos do dgito do grupo e da srie respectivos, separados destes por um ponto (.), formando um conjunto (por exemplo: 10.12, 21.32 etc.).

    O mdulo estruturado em divises (seo) e subdivises (subseo), como descrito a seguir.

  • Seo o conjunto maior de procedimentos e critrios dentro de um mdulo. As sees so numeradas com algarismos arbicos, comeando por "1". o conjunto maior de procedimentos e critrios dentro de um mdulo. As sees so numeradas com algarismos arbicos, comeando por "1". A seo subdividida em subsees, como descrito a seguir.

    A seo subdividida em subsees, como descrito a seguir.

    Subseo Uma subseo uma subdiviso numerada de uma seo. Uma subseo primria pode ainda estar subdividida em subsees secundrias, e, se extremamente necessrio, em tercirias. As subsees so numeradas com algarismos arbicos.

    Pargrafo O pargrafo uma subdiviso no numerada de uma seo ou subseo.

    Enumerao (Alneas e incisos) As enumeraes so precedidas de uma letra minscula seguida de parnteses (alneas). As alneas podem, ainda, ser subdivididas em incisos, representados por um hfen antes do texto.

  • Manual de Tubulaes Telefnicas e Rede Interna em Edificaes - Mdulo 03.20 Srie 0 - Introduo

    Grupo: "Descrio do manual"

    Ttulo Verso Vigncia Emisso e atualizao deste manual 1 Indeterminada

    Objetivo Instruir a forma de emisso e atualizao deste manual.

    Elaborao Cada assunto, a princpio, deve ser objeto de um mdulo. No caso em que o assunto ocupe pouco espao do mdulo, pode ser acrescido mais de um, porm o ttulo deve incluir todos os assuntos que o compem. Os mdulos devem ser elaborados numa ordem lgica de sees e subsees, sem a incluso de qualquer assunto diferente e relativo a outro mdulo.

    Como regra geral, os mdulos no devem conter a citao de nmero de outros mdulos, a no ser nos casos em que exista uma referncia cruzada, cuja informao do nmero de outros mdulos seja imprescindvel para compreenso. Quando for possvel no mencionar nmero de outros mdulos, citar expresses tais como: "... conforme mdulo anterior (ou seguinte) deste grupo" ou "... desta srie" ou "... deste Manual", etc. Na disponibilizao em hipertexto recomendado que se crie um vnculo "link" entre a eferncia e o documento referido.

    O texto deve ser redigido em linguagem clara, objetiva, concisa e precisa. As oraes devem ser construdas na forma direta (sujeito + predicado + objeto + complementos).

    Os verbos no devem ser utilizados na forma futura, e sim no presente ou preferencialmente no infinitivo, construdos com o verbo "dever" ou "poder" (por exemplo: "deve implantar" ou "pode implantar").

    A redao do texto no deve conter subentendidos, nem construes que permitam apreciaes subjetivas. Quando necessrio, prefervel estender-se no assunto normatizado do que gerar dvidas na leitura ou interpretao

    Emisso O rgo normativo deve levar em conta que o mais importante na emisso a informao concisa e precisa do contedo, bem como o consenso junto s reas envolvidas com o assunto. A aprovao fica condicionada a anlise da Brasil Telecom.

    Disponibilizao A Brasil Telecom responsvel por disponibilizar o manual para consulta atravs do seu endereo na internet. Aps a disponibilizao, a Brasil Telecom fica responsvel pela atualizao dos mdulos eletrnicos, sempre que necessrio.

    Em caso de atualizao por motivos de assuntos de extrema relevncia ou urgncia, o rgo normativo deve informar aos assinantes, atravs dos meios disponveis na Empresa, que o documento foi atualizado e a verso mais recente encontra-se na Rede Corporativa.

  • As cpias do documento disponibilizado no so atualizadas automatica