Click here to load reader

Teoria da comunicação unidade vi

  • View
    262

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

Teoria da Comunicação

Text of Teoria da comunicação unidade vi

  • 1. 0 Unidade I: Unidade: Estudos de Mdia Contemporneos

2. 1 Unidade:EstudosdeMdiaContemporneos Unidade: Estudos de Mdia Contemporneos Vamos conhecer os principais representantes dos estudos de mdia? MARSHALL MC LUHAN http://www.mcluhanmedia.com/ Ol! Quantas vezes voc j ouviu dizer aldeia global, era eletrnica, o meio a mensagem ou ainda retribalizao da humanidade? Inmeras vezes no ? Mas quem foi que disse? Voc sabe? No? Sim? Mas o que ele fez? Ento veja, h perguntas que devem ser respondidas e no vamos apenas sintetizar o pensamento desse autor para voc est bem? Estamos nos referindo a Marshall McLuhan que nasceu em Edmont em 21/07/1911 e faleceu em Toronto em 31/12/1980, foi filsofo e educador canadense. Tornou-se conhecido na dcada de 60 o guru da mdia e dos estudos sobre comunicao e educao. Ele dizia que para uma escola se inserir na nova ordem social mundial era necessrio que ela se apropriasse dos meios de comunicao como mediadora da realidade. Almeida escreveu no artigo O velho profeta-aldeo McLuhan est de volta (2005) o que o pensador revela sobre os meios de comunicao: No artigo Lavenir de leducation: la gnration de 1989, McLuhan (1969) aponta que uma instituio escolar que se pretenda inserida na nova configurao social planetria deve fazer uso apropriado dos meios de comunicao, em vista a transpor os muros que separam a escola de todo o debate das diferenas tnicas, sexuais, polticas, sociais, econmicas, ambientais, presentes no dia-a-dia dos estudantes da era eletrnica, de forma a promover um dilogo com a vida cotidiana. Alerta que a comunicao, e entendemos que educar 3. 2 Unidade:EstudosdeMdiaContemporneos , antes de tudo, comunicar, atravessa os sujeitos onde eles estejam e que o mundo, retribalizado pelos aparatos tecnolgicos de informao, nos mostra que o lugar dos nossos estudos o mundo mesmo, o planeta de todos. A escola-clausura est a ponto de tornar- se escola-abertura ou, melhor ainda, escola-planeta (McLuhan, 1969, p. 57). http://www.espacoacademico.com.br/ (consulta em 31/03/2010 s 9:15h) Podemos ento nos apropriar do pensamento de McLuhan e dizer que com o mundo globalizado no h mais fronteiras reais, porque o mundo est plugado no aqui e no agora. a aldeia global onde tudo se v e tudo se sabe. As cidades so uma sala de aula (...) onde os anncios so os mestres; as salas de aula [tradicionais] tornaram-se obsoleta casa de recluso, uma masmorra feudal (McLuhan, 1971, p. 246). Apud O velho profeta-aldeo McLuhan est de volta ALMEIDA,L.A Os meios de comunicao, no entender de McLuhan, no mundo globalizado, podem ser entendidos como extenses do homem. Na educao, McLuhan criticou a escola que no respeita as diferenas e a diversidade impondo um padro nico de ensino aprendizagem que sujeita o educando e impede que ele se torne um agente crtico. Para conhecer mais sobre McLuhan acesse o link: http://www.espacoacademico.com.br/055/55mh_almeida.htm Para aqueles que leem ingls acessem o site oficial http://www.mcluhanmedia.com 4. 3 Unidade:EstudosdeMdiaContemporneos UMBERTO ECO http://midiaseducacao.blogspot.com/2009/10/quao-confiavel-e-wikipedia.html Nasceu na Itlia em Alexandria/Piemonte, professor titular aposentado da Universidade de Bolonha, a mais antiga da Europa, fundada em 1088. escritor, filsofo, semilogo, linguista e biblifilo. Entre suas obras mais conhecidas esto: O nome da Rosa, O Pndulo de Foucault, Baudolino, A histria da feira. Na dcada de 60, escreveu Obra Aberta na qual estuda as relaes entre a potica contempornea e seus mltipos significados e que segundo ele permite que uma obra de arte possa ser compreendida a partir de vrias interpretaes. Na dcada de 60, tambm, estudou sobre a cultura de massa no seu livro Apocalticos e integrados (1964), no qual defende uma nova orientao nos estudos dos fenmenos da cultura de massa, criticando a postura apocalptica daqueles que se identificam com a Escola de Frankfurt e com a viso de Marshall McLuhan que entende a cultura de massa como resultado da integrao democrtica das massas. Nessa obra, Eco analisa o uso e consumo da cultura de massa pela sociedade. Os apocalpticos seriam a elite enquanto que os integrados seriam a massa que no questiona o consumo ou aqueles que a induzem ao consumo A partir da dcada de 70, Eco se dedicar Semitica Para saber mais sobre Umberto Eco acesse: http://revistacult.uol.com.br/home/2010/03/perfil-umberto-eco-2/ http://www.themodernword.com/eco/eco_biography.html 5. 4 Unidade:EstudosdeMdiaContemporneos ESTUDOS DE MDIA NA AMERICA LATINA Produo; contribuies; pesquisa; organismos; a pesquisa em comunicao no Brasil. Pois ! Avanamos bem no conhecimento. Vimos novas teorias comunicacionais e como algumas das coisas que j vimos ou conhecemos ganharam significados e sentidos diferentes. Mas voc observou que falamos dos estudos comunicacionais da Europa e dos Estados Unidos e nada falamos dos estudos que ocorrem no Brasil e na Amrica Latina? Ento chegou a hora de conhecermos um pouco sobre as pesquisas que acontecem abaixo do Equador (Brasil) e na Amrica Latina. difcil definir alguma identidade latino-americana j que essa identidade tem sua origem a partir da dcada de 50. A maioria dos trabalhos sobre este tema atrela as pesquisas mais s questes polticas do que propriamente a uma corrente comunicacional especfica. Tambm no podemos nos furtar ao fato de que a Amrica Latina viveu durante grande perodo de sua histria subordinada dominao de outros povos; ora, espanhis, ora portugueses, ora franceses, ora ingleses. E mesmo depois da independncia poltica e vivendo o perodo de repblica, e em pleno sculo XX, muitos desses pases com o fortalecimento do capitalismo e expansionismo econmico americano foram subjugados aos seus interesses seja poltica, econmica ou culturalmente. Os estudos de mdia na Amrica Latina surgem, portanto, como um movimento de reao contra o carter de dominao dos Estados Unidos, nas situaes acima citadas. Os primeiros estudos feitos na Amrica Latina foram feitos a partir dos estudos funcionalistas americanos e visaram analisar a promoo do desenvolvimento econmico e social dos pases da Amrica Latina tendo como referncia os meios de comunicao. Veja a seguir o quadro dos principais centros de pesquisa entre os anos 50-70: 6. 5 Unidade:EstudosdeMdiaContemporneos CENTRO DE PESQUISA LOCAL PERODO ORIENTAO CIESPAL1 QUITO 1959-1973 Divulgao do modelo norte americano, extensionionismo, inovaes CIESPAL QUITO 1973 Referencial latino-americano. Diagnstico e planejamento em comunicao ININCO2 VENEZUELA 1973 Antonio Pasquali pesquisa crtica e propositiva CEREN3 CHILE 1970-1973 Teoria da dependncia, crtica ao sistema internacional de comunicao. ILET4 MXICO 1976-1985 Informao internacional e estrutura transnacional- livre fluxo de informao, democratizao da comunicao Fonte: BERGER, Christa A pesquisa em comunicao na Amrica Latina in Teorias da Comunicao: conceitos, escolas e tendncias(organizadores Antonio Hohlfedt, Luis Martino, Vera Veiga Frana-8 ed. Petrpolis:RJ.Vozes, 2008. P.246 As dcadas de 50, 60 e 70 foram marcadas pelas tentativas e avano do socialismo na Amrica, tendo como marco a Revoluo Cubana que originou numa contra ofensiva sob liderana dos Estados Unidos. Ento, no tardaram as represlias do governo americano contra Cuba, pois imps restries srias ilha o embargo poltico que resultou no isolamento poltico, econmico dos cubanos. 1 CIESPAL Centro Internacional de Estudios Superiores de Periodismo para a Amrica Latina, criado pela UNESCO,OEA e governo do Equador 2 Instituto Venezuleano de Investigaciones de La Comunicacin 3 Centro de Estudos da Realidade Nacional, fundado durante o governo de Salvador Allende e vinculado a Pontifcia Catlica 4 Instituto Latinoamericano de Estudios Transnacionales fundado por exilados chilenos. 7. 6 Unidade:EstudosdeMdiaContemporneos Enquanto isso, muitos pases como o Brasil, Chile, entre outros, passaram a viver sob a ditadura. Vivia-se nesse perodo os governos de exceo, ou ditaduras que, sob a gide dos pases ricos e entre eles os Estados Unidos, apoiavam esses governos. O cerceamento dos direitos cidados era uma constante e resultou em crticas por parte dos intelectuais simpatizantes da esquerda poltica dos pases que viviam sob a ditadura. Segundo Santos (2003,p.124), a partir da dcada de 70 os tericos e pesquisadores de esquerda enfatizaram em seus trabalhos a relao poltica e ideolgica dos meios de comunicao de massa com o poder (elites) e os interesses estratgicos e comerciais norte-americanos. importante ressaltar que nesse perodo surgiam dois conceitos para explicar o carter de dominao ou subordinao da Amrica Latina frente aos Estados Unidos. 1. O Centro de Estudos da Realidade Nacional(CEREN), sediado no Chile, discutia a teoria da dependncia na qual o centro focal dessas discusses era a necessidade de expanso do capitalismo por meio do aumento do consumo o que de certa maneira evitaria as crises intervalares que comprometiam a economia voltada para o consumo capitalista. Para que isso pudesse ocorrer, era inevitvel a explorao dos pases terceiro mundistas no s por meio da economia, mas tambm por meio da dominao sub-reptcia, introduzindo novos produtos de consumo como msica, hbitos alimentares, moda, cinema etc. o que caracteriza o imperialismo cultural. 2. O conceito de hegemonia foi discutido pela esquerda intelectual e era adaptado das idias de Antonio Gramsci na qual haveria a existncia de uma cultura superior que dominaria a cultura inferior. Para teorizar melhor, vamos ver como Gramsci entendia a hegemonia. Para Gramsci, a hegemonia significa a relao de domnio de uma classe social sobre o conjunto da sociedade e esse domnio se caracteriza por dois elementos: fora e consenso. Sobre a fora, Gramci entende que ela exercida pelas instituies polticas e jurdicas e pelo controle do aparato policial-militar. Assim os rgos de represso esto inclusos nesse controle, entendeu? 8. 7 Unidade:EstudosdeMdiaContemporneos Sobre o conse

Search related