Click here to load reader

Inteligências múltiplas

  • View
    183

  • Download
    2

Embed Size (px)

DESCRIPTION

aplicabilidade da teoria das inteligências múltiplas, e seus impactos no sistema educacional sul-coreano

Text of Inteligências múltiplas

  • 1. APLICABILIDADE DA TEORIA DAS INTELIGNCIAS MLTIPLAS

2. Concepes sobre a Inteligncia O que para voc uma pessoa inteligente? Quais caractersticas que ela possui? Do latim inlligare se refere ao que sabe juntar, unir e enlaar, a inteligncia vai alm dos resultados obtidos pelos estudantes, expressos em notas, ndices e fatores. O estudo da inteligncia e sua relao com a educao iniciou-se a partir do sec. XIX. Os primeiros autores a abordarem o tema foram James Cattel e o francs Alfred Binet. Criao do teste de QI, onde se mensurava a capacidade intelectual (concepo inatista) Influenciou na educao para mensurar a inteligncia dos alunos por meio de testes. 3. Concepes sobre a Inteligncia Oposio aos aspectos quantitativos da inteligncia humana: Inteligncia em Piaget Piaget definiu inteligncia como a soluo de um problema novo para o indivduo, a coordenao de meios para atingir certo fim, que no acessvel de maneira imediata, rompendo com a concepo inatista ele considera que a inteligncia pode ser construda. Inteligncia em Vygotsky Para Vygotsky a capacidade intelectual resulta das relaes sociais histricas e culturais construdas pelo homem em sua evoluo como espcie. 4. Teoria das Inteligncias Mltiplas Essa teoria foi proposta por Howard Gardner psiclogo norte americano, professor das universidades de Harvard e Boston. A sua teoria se divergia da teoria tradicional de medida de inteligncia (QI) A teoria das inteligncias mltiplas defende que a competncia cognitiva dos seres humanos deve ser descrita como um conjunto de habilidades, talentos ou capacidades mentais, chamadas de inteligncia A verso inicial da teoria de Gardner apresentou sete inteligncias: lingustica, lgico-matemtica, corporal cinestsica, espacial, musical, interpessoal e intrapessoal. Mais recentemente, ele identificou a inteligncia naturalista, e, ainda, a existencial. 5. Teoria das Inteligncias Mltiplas Gardner (2005) afirma que as pessoas possuem capacidades e diferem em suas combinaes. Deste modo as diferentes inteligncias so independentes entre si, o que permite uma pessoa se destacar numa rea e no necessariamente em outras. 6. A Primeira Escola Baseada Na IM Em 1987, uma pequena escola urbana dos Estados Unidos mudou para sempre a face da educao. Mediante ao fracasso da educao nos Estados unidos, um grupo de oito professoras de uma escola pblica comearam a pesquisar alternativas de ensino. Depois de ler o livro Frames of Mind (1983) do psiclogo Howard Gardner. Elas desenvolveram uma metodologia temtica e voltada para projetos, no mbito do currculo de inteligncias mltiplas. Pois os testes padronizados mostravam apenas uma imagem limitada do desempenho dos alunos. 7. A Primeira Escola Baseada Na IM O inicio da jornada Descoberta da IM, por meio do livro Frames of Mind, questionando se essa ideia no poderia fundamentar a criao de uma escola. A escola se basearia na IM e que cada inteligncia teria o mesmo grau de importncia Para atender com especificidade cada inteligncia seria necessrio uma equipe adequada com profissionais. Como cada inteligncia era trabalhada de forma intensa, teria uma boa chance de sucesso na escola e descobrir seus pontos fortes. 8. A Primeira Escola Baseada Na IM A escola tambm usa a teoria de fluxo onde o aluno tem a oportunidade de explorar suas inteligncias livremente, enquanto o professor observa e registra as escolhas e potencialidades. A escola tambm possua a metodologia dos PODs, onde ajuda o aluno a identificar e desenvolver os pontos fortes de suas IM. A aprendizagem de forma cooperativa A avaliao por meio de pesquisas cientificas, pois trabalha a maioria das IM. 9. IM Prtica Educacional Na Coreia Do Sul Contexto histrico, social e cultural O sistema educacional sul-coreano foi muito afetado pela abordagem quantitativa da avaliao, pelo foco no impacto econmico e pelo pouco apoio por parte dos pais s escolas. A avaliao foi reduzida a verificar o uso que os alunos faziam de simples fatos extrados de livros-textos, por meio de provas escritas. A situao se agravou com o regime militar onde a prioridade era o desenvolvimento econmico, aumentando a importncia da medio quantitativa de desempenho e da avaliao de mltipla escolha. 10. Adaptando e Adotando a Teoria das IM Trs fatores foram de fundamental importncia para a difuso da teoria das IM no sistema educacional sul-coreano: Abordagem de baixo para cima reforma baseada nas IM; A reforma comeou na sala de aula e avanou de baixo para cima, professores e pesquisadores estavam em sala trabalhando conjuntamente teoria e prtica Envolvimento de pesquisadores relacionados ao tema; Pesquisadores sul-coreanos publicaram artigos sobre a teoria, criando projetos que em seguida foram implementados nas escolas. Apoio de formuladores de polticas Por meio de simpsios, oficinas e publicaes, os formuladores de polticas educacionais comearam a reconhecer a possibilidade de usar a teoria das IM a fim de desenvolver um novo paradigma na educao. 11. Adaptando e Adotando a Teoria das IM Desafios Os pesquisadores se depararam com vrios desafios durante sua disseminao. O problema mais comum era a compreenso incorreta dos conceitos da teoria, de corrente da aplicao direta da teoria em sala de aula, sem fazer um estudo profundo. Outro equivoco inicialmente atribudo era a noo incorreta de que a avaliao das IM poderia ser avaliada medindo cada inteligncia por meio de testes. Os professores no conseguiam reconhecer que a avaliao das IM comea com a identificao do perfil de inteligncia do aluno por meio de observao A avalio na educao com base em IM um sistema qualitativo que inclui o aluno como avaliador, respeitando potencial, diversidade, flexibilidade, variabilidade contexto. 12. Benefcios da Integrao da Teoria das IM Apesar dos desafios enfrentados em pouco mais de uma dcada, a teoria das IM deu uma contribuio considervel educao da Coreia do Sul Alcance mais amplo da educao para o carter; A identificao, pela teoria das IM, de inteligncias interpessoais e intrapessoais, proporcionou ideias crticas para uma nova viso da educao para a tica, desenvolvendo comportamentos prticos e ticos. Novas formas de avaliar a aprendizagem e o desenvolvimento dos alunos; 13. Benefcios da Integrao da Teoria das IM As avaliaes sul-coreanas enfatizavam resultados em vez de processos de aprendizagem. Com a adoo da teoria das IM os professores adotaram ferramentas de avaliao alternativas para descobrir os perfis e respeitar sus diferenas individuais. Os testes tradicionais eram utilizados, mais contemplados com avaliaes informais como, opinies de pares, dirios de observao, dirios de autorreflexo. Crescimento dos professores; Os professores que aplicava a teoria das IM se tornaram lderes ativos da reforma em sala de aula por meio de automotivao e autorreflexo e a sua identidade foi fortalecida ao assumir a reponsabilidade do desenvolvimento do currculo. 14. Benefcios da Integrao da Teoria das IM Tratamento do baixo desempenho; O baixo desempenho foi um dos maiores problemas da educao escola na Coreia do Sul, principalmente devido a um sistema educacional que no respeitava as diferenas individuais, acumulao da deficincia para o ensino mdio. A prtica em IM permitiu romper o ciclo do baixo desempenho, identificando e desenvolvendo as habilidades de cada aluno. Os professores recuperaram o respeito por cada estudante como uma pessoa integral. 15. No Futuro A medida que continuam a aplicar a teoria das IM em sala de aula os profissionais sul-coreanos encontraram novos desafios, incluindo preocupaes continuadas com a avalio dos estudantes e a falta de uma abordagem integrada em diferentes nveis escolares. Esses desafios refletem o compromisso dos educadores com a aplicao da teoria com mais profundidade, em mais escolas. 16. A Singularidade e a Universalidade da Teoria das IM A aplicao da teoria das IM Coreia do Sul tem se baseado em suas caractersticas universais, bem como em aspectos do contexto social, cultural e educacional do pas. Os pesquisadores e profissionais da Coreia do Sul descobriram como aplicar a teoria das IM segundo circunstncias tpicas. As qualidades universais da teoria podem ser alavancadas em qualquer lugar do mundo. 17. Brasil: Outra Realidade Educacional! Quanto mais instrudo o povo, tanto mais difcil de o governar (provrbio Taoista) 18. Por que o Brasil possui um dos piores ndices de educao do mundo? A pesquisa de uma das mais respeitadas consultorias sobre sistemas de ensino no mundo, Economist Intelligence Unit, coloca o Brasil em penltimo lugar em um ranking sobre a qualidade da educao. A consultoria analisou habilidades cognitivas e desempenho escolar dos alunos em 40 pases. A Finlndia e Coria do Sul aparecem em primeiros lugares e o Brasil e a Indonsia em ltimos lugares. Nos ltimos anos o ensino foi fortemente influenciada pela reestruturao produtiva, uma vez que as inovaes tecnolgicas, a nova organizao do trabalho e a globalizao dos mercados exigiam novos perfis profissionais. Criou-se assim uma educao voltada ao mercado de trabalho, entendida pela lgica do capital, visando contribuir para o projeto poltico pedaggico da burguesia. 19. Por que o Brasil possui um dos piores ndices de educao do mundo? Na dcada de 70, com o advento de uma sociedade ps-industrial e o crescimento tecnolgico, ocorreu uma mudana do currculo de trabalho exigindo profissionais mais qualificados. As mudanas no mundo do trabalho tornaram o conceito de competncia um conceito central para a educao interferindo diretamente na produo do conhecimento e da formao profissional. No Brasil o conceito de competncia comeou a ganhar importncia com a reforma da educao feita no primeiro mandato do Presidente Fernando Henrique Cardoso (1995-1998). 20. Por que o Brasil possui um dos piores ndices de educao do mundo? Com o objetivo de tornar a indstria nacional mais competitiva o empresariado brasileiro a parti

Search related